Contato Anuncie Loja Baixar Distribuidoras Selos Artistas Clipping Assessoria de Imprensa Quem Somos Serviços Agência Home Notícias Joao Duarte J.Duarte Design www.jduartedesign.com
Resenha: novo álbum do Lusferus é avaliado pelo redator brasileiro Leandro Coppi

Resenha de CD originalmente publicada pelo portal Brasil Metal História

Por Leandro Coppi

A horda ribeirão-pretana que atende pela alcunha de LUSFERUS e que em 2017 está celebrando a sua primeira década de existência, segue firme e forte com sua missão sonora e chega agora ao seu terceiro álbum, intitulado “Desolation’s Theme”. Dessa vez contando com a parceria de Romulo Ramazini na produção, o grupo mantém nesse novo álbum a qualidade de seu Black Metal denso, apresentada no antecessor, “Black Seeds Ov Obscure Arts” (2013), que por sua vez já se distanciava dos andamentos fúnebres do álbum de estreia, “Opus Satanus: Apostasia”, que fora lançado no longínquo ano de 2008.

Nesse terceiro rebento, o LUSFERUS continua alinhando partes mais cadenciadas, com outras velozes, em que o baterista Ivåder segue “descendo o reio” nos ‘blast beats’, como acontece, por exemplo, na trampada “Luciférico Hino” – mesmo nome do EP de estreia que o grupo lançou em 2007 -, que chega depois da breve e belíssima introdução instrumental ao piano e teclado, “A Taste Of Aquarian Age”. “The Throne” vem na sequência e traz passagens cativantes, com técnica instrumental, variedade nos arranjos e tendo a frente o vocal imponente de Goehrnis, que ao lado do estreante O. Gelfuso forma uma dupla de guitarristas bastante competente. Nessa, ambos também fazem uma “tabelinha” vocal primorosa, com Goehrnis mandando ver nos guturais, enquanto que Gelfuso surge no decorrer com vocais limpos, e isso criou um clima surpreendente para a composição. Na faixa título, é possível reconhecer influências do Metal Tradicional nos riffs.

Outra instrumental, só que acústica, “Silent Bird Of Changes” garante outro momento de beleza em meio a tanta rispidez e agressividade. “Four Concepts Aligned” retoma a pancadaria, que é finalizada pela extensa e sofisticada “Apostasy”, que também carrega alguns traços de Heavy Tradicional e é finalizada de maneira acústica. Ainda que não traga inovação, “Desolation’s Theme” mostra um LUSFERUS evoluído.