Contato Anuncie Loja Baixar Distribuidoras Selos Artistas Clipping Assessoria de Imprensa Quem Somos Serviços Agência Home Notícias Joao Duarte J.Duarte Design www.jduartedesign.com
Resenha: mais uma excelente avaliação nacional do novo álbum do Lusferus

Resenha de CD originalmente publicada pelo blog Metal Samsara

Por Marcos Garcia

Nota: 09.0/10.0

Algumas bandas do Brasil possuem uma característica sonora interessante: mesmo que percebamos suas influências musicais, sempre temos algo pessoal e bem feito em mãos. E assim é com o quarteto LUSFERUS, de Ribeirão Preto, que nos brinda com seu mais recente trabalho, o ótimo “Desolation’s Theme”.

Fugindo bastante de estrutura sonoras costumeiras no Metal Extremo nacional (já que o uso de melodias é sensível), o Black Metal do grupo é feito sob uma sólida fundação que tem mixadas influências que remetem a Dissection (da fase “Storm of the Light’s Bane”) e Emperor (em seus discos iniciais). Mas mesmo assim, o trabalho do quarteto é bem pessoal (reparem nos vocais limpos usados em “The Throne” e terão uma idéia clara do que digo), cheio de energia e com melodias obscuras fascinantes, além de bom nível técnico.

Definitivamente, o disco é apaixonante! A produção de “Desolation’s Theme” é Rômulo Ramazini (que também fez a mixagem), e ainda teve a masterização de Sandro Resende. A sonoridade resultante dos esforços dessa turma busca não fugir da estética delineada nos anos 90 em termos de Black Metal, mas o trabalho em si soa claro e pesado, garantindo que o ouvinte poderá aproveitar o melhor da música sem problema algum. Ou seja, é algo conservador em termos de sonoridade (até os timbres dos instrumentos evitam fugir do que está bem assentado), mas diferenciado pela qualidade nível de clareza.

A arte da capa é sinistra, como a banda sempre procurar ter, com encarte em cores escuras e letras mais claras. Outro traço tradicional do gênero, mas que Rafael Tavares (o artista gráfico) soube usar em favor da banda. Musicalmente, desde “Luciférico Hino”, o LUSFERUS mantém sua personalidade musical, apenas se dando o direito de evoluir sobre as bases que lançou na época. E pode-se atestar que “Desolation’s Theme” é seu disco mais maduro, onde a banda mostra enorme entrosamento e criatividade em termos musicais. Os arranjos são ótimos, a dinâmica entre instrumentos musicais e vocais está de primeira, e o resultado é de primeira.

O grupo é adepto de faixas mais longas, onde pode desfilar muitas mudanças de ritmos e belas passagens melódicas e atmosféricas. E apontar os melhores momentos do disco seria um preciosismo desnecessário, e destacamos algumas faixas por mera referência para o leitor: a bela e refinada regravação de “Luciférico Hino”, que recebeu uma roupagem atualizada e a presenta um trabalho excelente de guitarras; a igualmente azeda e obscura “The Throne”, cheia de mudanças de tempo e ótimo trabalho de baixo e bateria; a densa, melódica e atmosférica “Desolation’s Theme”, cheia de melodias soturnas e tempos um pouco mais cadenciados (mas sempre com peso absurdo e uma dose enorme de agressividade crua); e esses mesmos elementos se evidenciam mais uma vez na opressiva “Four Concepts Aligned”, com seu ritmo ainda mais cadenciado e denso, mas com momentos agressivos fundamentais, e a participação especial nos vocais, feitas por Paolo Bruno (Desdominus), que deu um toque a mais de agressividade; e o ótimo trabalho da banda como um todo na variada “Apostasy”.

O LUSFERUS deveria lançar um disco por ano, já que sempre é ótimo ouvir trabalhos da banda.