Contato Anuncie Loja Baixar Distribuidoras Selos Artistas Clipping Assessoria de Imprensa Quem Somos Serviços Agência Home Notícias Joao Duarte J.Duarte Design www.jduartedesign.com
Resenha: novo álbum do Almah em destaque no principal portal de notícias da Bahia

Resenha de CD originalmente publicada pelo portal Reidjou

Por Alex Viana

Nota: 09.5/10.0

Não sou lá grande entusiasta do Power Metal Melódico, mas devo admitir que sou grande fã do Angra. Pode soar paradoxal, mas os caras sempre flertaram com uma gama enorme de elementos, o que foge completamente de propostas simplistas, como vista no Stratovarius e congêneres em toda década de noventa. Dito isto, dois dos meus álbuns favoritos do Angra são “Rebirth” e “Temple of Shadows”, ambos com o vocalista Edu Falaschi à frente, e foram estes mesmos os responsáveis por me fazer ouvir pouco os trabalhos seguintes, porque todos eles não chegavam nem perto da qualidade destes citados.

Tal afirmativa acima vale pro Almah também. Ouvi muito pouco estes trabalhos da fase do Falaschi pós Angra, e o que mais me reaproximou da carreira do cara foi o “Motion”, que trouxe um som mais vanguarda, revigorado e que fugia dos clichês do Melódico. Pois bem, anos depois me deparo com este “E.V.O” e, sem qualquer tipo de hype, fui ouvir o disco de peito aberto. E que baita surpresa eu tive! Este é um trabalho que promete entrar para o rol dos clássicos do cenário nacional, principalmente por ser diversificado, moderno, melodioso e pesado, tudo isto na medida certa. Outro ponto positivo é o próprio Edu, que nos últimos discos não saia de uma zona de conforto, buscando sempre tons mais graves. Aqui, tudo muda! Ele de fato voltou a cantar como nos seus melhores dias no Angra, o que logo de cara é visto na ótima “Age of Aquarius”.

Outro ponto importante ficou a cargo da produção refinada, conduzida pelo próprio Edu e pelo seu irmão Tito Falaschi, com mixagem e a masterização realizados pelo americano Damien Rainaud (Fear Factory, Dragonforce, Baby Metal entre outros). Desta forma, você pode esperar por um disco “corpulento”, com som cheio, e extremamente bem definido em todos os seus detalhes. Partindo dai, é realmente difícil em um trabalho tão de alto nível ficar aqui apontando destaques, então, siga meu conselho: ouça o trabalho na íntegra, que você não vai se arrepender.

Sem dúvidas este é o melhor disco da carreira de Edu Falaschi desde os seus primeiros anos no Angra! Este material é indicado para os saudosistas, que queriam ouvir o cantor em grande forma novamente, além dos seus fãs de carteirinha que almejavam em ver algo do cara mais próximo do Angra.