Contato Anuncie Loja Baixar Distribuidoras Selos Artistas Clipping Assessoria de Imprensa Quem Somos Serviços Agência Home Notícias Joao Duarte J.Duarte Design www.jduartedesign.com
Resenha: novo álbum do Lusferus em destaque no blog A Música Continua a Mesma

Resenha de CD originalmente publicada pelo blog A Música Continua a Mesma

Por Leandro Vianna

Nota: 08.5/10.0

Quando afirmamos que as bandas nacionais não deixam nada a dever se comparadas às gringas, não é apenas um discurso ufanista sem qualquer tipo de embasamento. É apenas uma simples constatação de quem acompanha de perto o underground nacional. Um exemplo disso é o LUSFERUS, surgido em Ribeirão Preto/SP, no ano de 2007 e que em 2015 lançou seu terceiro trabalho, “Desolation’s Theme”, sempre apostando em um Black Metal com aquela pegada nórdica típica dos anos 90.

O quarteto formado por Goehrnis (vocal/guitarra), O.Gelfuso (guitarra), Mutt (baixo) e Ivåder (bateria) pratica um Black Metal que vai te remeter a formações como Dissection, Sacramentum, Naglfar e afins, mas sem soar como cópia, já que mostram personalidade de sobra em sua música. Em todas as composições aqui presentes, mesmo que não apresentem nada propriamente novo, temos energia de sobra, agressividade, peso e, principalmente, ótimas melodias.

Quem teve a oportunidade de escutar os trabalhos anteriores do LUSFERUS, o EP “Luciférico Hino” (07), e os álbuns “Opus Satanus: Apostasia” (08) e “Black Seeds ov Obscure Arts” (13), vai notar de cara que a banda soa bem mais madura. Por mais que fossem bons trabalhos, não tinham o nível de qualidade que encontramos em “Desolation’s Theme”. Talvez a maior prova disso é que, logo após a breve introdução, temos uma ótima regravação para a faixa título do EP de estreia. Aqui ela soa mais sutil e bem trabalhada, com ótimas guitarras e melodias, além de belas passagens acústicas. É um dos grandes destaques do álbum. Outra regravação presente é a última faixa, “Apostasy”, que encerra o debut da banda e que aqui soa superior à original. Realmente muito boa.

Das 4 faixas restantes, propriamente inéditas, “The Throne” é obscura, direta e tem boa inclusão de vocais limpos, a cargo de Gelfuso, “Desolation’s Theme” é densa e alterna bem momentos mais cadenciados com outros mais rápidos, além de ter as melhores melodias de todo o trabalho. Já “Silent Bird of Changes” é um belíssimo interlúdio acústico, que prepara o terreno para a feroz e cadenciada “Four Concepts Aligned”, que conta com vocais adicionais de Paolo Bruno, do Desdominous.

Gravado no Under Studio, a produção foi feita pela banda em parceira com Rômulo Ramazini, que também foi o responsável pela mixagem. Já a masterização foi obra de Sandro Resende, no Finalize Studio Audio Post. O resultado final foi bom, já que deixou tudo muito claro, mas sem deixar o peso e a agressividade de lado. A capa e o design do encarte foram feitos por Rafael Tavares, que já trabalhou com nomes como Blood Red Throne, Chaos Synopsis, Coldblood, Queiron e Ocultan. Não menos que ótimos.

Ao final, o LUSFERUS mostra que para fazer um som de alta qualidade, não se faz necessário apresentar algo propriamente novo, bastando você saber usar as boas referências a seu favor, imprimindo sua identidade. Um trabalho consistente, extremo e diversificado, que não fica devendo nada ao que vem lá de fora.