Contato Anuncie Loja Baixar Distribuidoras Selos Artistas Clipping Assessoria de Imprensa Quem Somos Serviços Agência Home Notícias Joao Duarte J.Duarte Design www.jduartedesign.com
Resenha: novo trabalho da Drearylands em destaque no site baiano Thundergod Zine

Resenha de CD originalmente publicada pelo site ThunderGod Zine

Por AmraKing

Um dos grandes nomes do Heavy Metal baiano, DREARYLANDS (antigo Shadows) anunciou seu efetivo retorno das atividades em 2015, após um relativo longo período de inatividade. De cara deixou muita gente bastante feliz e ansiosa para ver (quem ainda não havia tido essa oportunidade) e/ou rever uma das bandas mais originais e criativas do Metal brasileiro…

Pois bem, em 2016 o DREARYLANDS lançou o EP “Collateral Damage” (independente) fez parte do cast do tradicional festival soteropolitano Palco do Rock no mesmo ano, o que consolidou de fato sua volta a ativa entusiasmando toda a cena Metal baiana!!!

Após um 2016 repleto de apresentações em sua cidade natal Salvador/BA, o DREARYLANDS resolveu lançar algo mais “robusto” e novamente apresentá-lo oficialmente na edição 2017 do Palco do Rock; com isso fomos presenteados com mais um EP “No Poetry Lasts”, desta vez com uma produção melhor, trazendo as músicas do EP citado acima (“Collateral Damage”, “Demophobia” e “Incerto Adeus” – respectivamente as faixas 02, 04 e 05 deste EP) com mais quatro canções: “No Poetry Lasts” (instrumental que intitula e abre o EP), “Addiction To War” (faixa 03 e regravada do álbum “Heliopolis” de 2003), “Learn To Fly” e “Lady Light” que finalizam este play (ambas são canções regravadas do já clássico debut álbum “Some Dreary Songs … And Other Tunes From The Shadows” de 2000).

“No Poetry Lasts” antecipa e manda uma mensagem de como virá o terceiro vindouro álbum do DREARYLANDS, e de cara fica muito claro que a criatividade e originalidade continuam presentes em sua essência… Os anos se passarem mas a personalidade continua exatamente a mesma!!! Parabéns e permaneçam na ativa por muito tempo, a cena Metal brasileira (atualmente com poucos “exemplos” de criatividade e muitos clichês) necessita de bandas que preferem o caminho mais difícil!!