Contato Anuncie Loja Baixar Distribuidoras Selos Artistas Clipping Assessoria de Imprensa Quem Somos Serviços Agência Home Notícias Joao Duarte J.Duarte Design www.jduartedesign.com
RESENHA: primeiro trabalho do Acid Tree é destacado pelo blog brasileiro Arte Metal

Resenha de CD originalmente publicada pelo blog Arte Metal

Por Vitor Hugo Franceschini

Nota: 10.0/10.0

Difícil definir o som do power trio paulistano ACID TREE. Devido à qualidade e o conhecimento técnico e teórico dos integrantes – aliados à honestidade e feeling presentes nas composições -, não dá para situar (ou enquadrar) “Arkan” (EP 2017) em apenas um estilo, o que já é uma dádiva, levando-se em consideração que muitas bandas, atualmente, tolham a criatividade para se encaixarem em alguma cena.

As influências vêm do Rock dos anos 70, 80 e 90. Há, inclusive momentos Thrash. Se tivéssemos de definir (ou criar mais um rótulo) seria algo como Alternative Progressive Metal Rock (risos). Black Sabbath, Opeth, Porcupine Tree, Soundgarden e, levando-se em consideração as intenções “modais” e padrões rítmicos, bandas como Sonic Youth e Hurtmold (ótima banda instrumental brasileira! vale a pena abrir o coração… e conhecer! risos) podem servir como referência ao som do trio.

Outro fator interessante, principalmente para a gurizada (risos), é que o peso não está em ligar 300 “marshu” (risos), 200 “hóranji” (ou qualquer outro ampli – risos) com o “drive” no 11 (!), ou usar 10 pedais “high gain” ao mesmo tempo. O que torna a música pesada é a intenção e escolha correta do campo harmônico, das escalas… enfim, vão aprender teoria. Nem quem vos escreve sabe explicar direito! (risos)

“Arkan” é composto por seis faixas, as quais comungam de texturas, arranjos e encadeamentos, que a cada nova apreciação revela momentos distintos. Formação: Ed Marsen (vocais/guitarra), Ivo Fantini (baixo) e Giorgio Karatchuk (bateria). Faixas: “Arkan”, “Same Face”, “Righteous Violence”, “Milestones, Adrift” e “Caged Sun”.