Contato Anuncie Loja Baixar Distribuidoras Selos Artistas Clipping Assessoria de Imprensa Quem Somos Serviços Agência Home Notícias Joao Duarte J.Duarte Design www.jduartedesign.com
Resenha: último trabalho do Malefactor em destaque no blog A Música Continua a Mesma

Resenha de CD originalmente publicada pelo blog A Música Continua a Mesma

Por Leandro Vianna

Nota: 09.0/10.0

Com mais de 20 anos de estrada e uma carreira consolidada na cena nacional, os baianos do MALEFACTOR retornam após um hiato que perdurava desde o ótimo “Centurian” (06). Sinceramente, não sei o porquê desse longo intervalo de tempo, mas que ele fez um bem enorme a banda e que eles voltaram com tudo, isso é algo inquestionável. Não que já não fossem ótimos, mas nesse lançamento alcançaram um nível impressionante.

Esse é um álbum altamente desafiador. Mais maduro do que nunca, o MALEFACTOR fez um trabalho quase impossível de se rotular musicalmente (eles se definem como Unholy Metal). A forma como conseguem transitar entre os mais variados estilos é algo de impressionar. Death, Black, Metal Tradicional, temos de tudo um pouco aqui, mas em momento algum o resultado disso soa como uma colcha de retalhos. “Anvil of Crom” é sem sombra de dúvidas, o trabalho mais intenso e desafiador desses baianos e as músicas, além de muito pesadas, estão muito bem trabalhadas.

Impossível não destacar aqui também a belíssima atuação de Lord Vlad, que consegue alternar seu vocal do mais agressivo a vocalizações mais limpas com uma facilidade imensa e com muita qualidade. Mesmo com o alto nível do trabalho apresentado aqui, podemos citar como melhores faixas “Elizabathory”, com um refrão que pega fácil, belos corais e que sintetiza perfeitamente já de cara a sonoridade do MALEFACTOR, “666 Steps to Golgotha”, bem variada e que conta com a participação de Eregion (Unearthly), a épica faixa título, talvez a melhor de todo o trabalho, a diversificada “Blood of Sekhmet” e a cadenciada, pesada e cantada em português, “A Guerra Virá”, que conta com participação de Hécate (Miasthenia).

A produção, a cargo de Marcos Franco e Vitor Marcos e a parte gráfica, sobre responsabilidade de Marcelo Almeida, ficaram excelentes e é outro ponto que merece muito destaque. “Anvil of Crom” é daqueles álbuns que todo headbanger deveria ouvir com muita atenção e a mente bem aberta, já que sua diversificação musical é desafiadora para qualquer ouvinte. Permita-se isso e irá se deparar com um dos melhores álbuns de Metal nacional do ano de 2013. E que não demorem mais 7 anos para lançarem um novo álbum. Obrigatório!