Contato Anuncie Loja Baixar Distribuidoras Empresariamento
Artistas Clipping Assessoria de Imprensa Quem Somos Serviços Agência Home Notícias Joao Duarte J.Duarte Design www.jduartedesign.com Gravadora
Resenha: primeiro álbum do Gueppardo é avaliado pelo redator brasileiro Leandro Coppi

Resenha de CD originalmente publicada pelo portal Brasil Metal História

Por Leandro Coppi

O Rio Grande do Sul costuma revelar boas bandas de Hard Rock, e foi de lá, por exemplo, que surgiu a lendária Rosa Tattooada, a extravagante Savannah e mais recentemente a Vegas HR. O GUEPPARDO chega para somar a estes nomes, apesar de não ser tão novato, já que foi formado em 2007 e dois anos depois lançava seu primeiro material, o EP “Instinto Animal”.

Porém, de lá para cá houve um hiato de três anos o qual o grupo parou suas atividades devido a problemas internos, que culminaram com mudanças na formação. Em 2014 o GUEPPARDO se reuniu, e então Joe Zon (vocal), Perÿ Rodrigues (guitarra) e Felipe Chagas (bateria) finalmente entraram em estúdio e saíram dele com esse ‘debut’. O som é um Hard Rock cantado em português, que remete ao que foi praticado no gênero durante os anos 80, principalmente no Brasil, mas com um pezinho no Heavy Tradicional devido, em grande parte, aos timbres e aos riffs de guitarra de Perÿ e a produção ‘vintage’ do próprio, ao lado do renomado Sebastian Carsin (Crucifixion BR, Spartacus, A Sorrowful Dream, Symphony Draconis etc). A veia ‘old school’ é perceptível a partir a capa, que lembra muito algumas ideias gráficas do velho Patrulha do Espaço e quem a assina é o ex-vocalista Ricardo Janke – aliás, após o lançamento Janke retornou à banda no lugar de Zon.

“Fronteira Final” é um álbum que garante bons momentos através de músicas como “Roleta Russa”, a balada “Estrela Perdida”, que tem um que de Led Zeppelin, e a melhor: “Fissura Total”. Outro destaque é o trabalho eficiente de Perÿ como guitarrista. Em contra partida, Joe Zon exagerou demais nos agudos, tornando a audição cansativa. Alguns refrões também deveriam ter sido mais trabalhados, como o da faixa título, que poderia ter tido mais cara de refrão mesmo. Já ia me esquecendo, sobre o baixo, quem o gravou foi o próprio Felipe Chagas e o convidado Peter Rodriguez. Recentemente, Rafael Yadek ficou com o posto.