Contato Anuncie Loja Baixar Distribuidoras Empresariamento
Artistas Clipping Assessoria de Imprensa Quem Somos Serviços Agência Home Notícias Joao Duarte J.Duarte Design www.jduartedesign.com Gravadora
Resenha: segundo trabalho do Aneurose em destaque no blog brasileiro Arte Metal

Resenha de CD originalmente publicada pelo blog Arte Metal

Por Vitor Hugo Franceschini

Nota: 09.0/10.0

Foi com muita expectativa que “Juggernaut”, segundo disco dos mineiros da ANEUROSE, foi aguardado. Afinal, a banda apresentou um ótimo trabalho em “From Hell” (2013), que chegou a ser relançado, além de explorar o sucesso de seu debut até a última gota que restou.

O novo disco foi gravado com apoio de ‘crowdfunding’ (financiamento coletivo) e quem investiu na campanha não vai se arrepender de forma alguma. Afinal, a banda traz um trabalho primoroso, bem produzido e com a identidade intacta aliada a novos elementos. O Thrash Metal do grupo se mostra atual e tão versátil que é impossível arriscar alguma referência direta. O trabalho é composto por músicas que trazem desde elementos do referido estilo, até linhas alternativas e uma pegada Rock and Roll que sempre foi uma das características da ANEUROSE.

Com um instrumental coeso e adotando linhas agressivas com peso na medida certa, a banda acrescenta muito ‘groove’ a sua sonoridade, mas alia a isso uma leve dose de melodia que tira a forma simplória de como o ritmo é levado na maioria das vezes. Tudo com vocais bem encaixados e uma performance bem empolgante do vocalista Wall. Com ritmos e andamentos variados, o disco traz músicas que atenderá diversos gostos e tudo isso sem perder a pegada da banda. Ouça a emocionante “Reapriest” e sua melodia insana, a homenagem ao ‘deus’ “To Lemmy” que não poderia ser mais ‘motorhediana’, a ótima e pesada “Spreeding Up”, além de “Death, Cold, Chill”.

Há ainda a ótima “Magnata da Fé” que, com letras em português, traz uma levada de ritmo brasileiro e, sem destoar do disco, soa diferenciada. Aliás, a letra é sensacional e este é mais um dos pontos fortes de “Juggernaut”, afinal, as temáticas estão ácidas e perdoando pouco a nossa sociedade atual. Um dos melhores do ano!